Visitante número

quinta-feira, 13 de setembro de 2007

Filosofia da Libertação de Enrique Dussel




Muitos de nós conhecemos ou pelo menos ouvimos falar de filósofos renomados, que influenciaram certa tempo, época, idade da humanidade.

O filosofo e a filosofia onde pretendo fazer algumas explanações ou até mesmo apresentar como novidade, é a Filosofia da Libertação de Enrique Dussel.


Dussel, filosofo argentino que teorizou está Filosofia da Libertação própria para a América Latina. Argumenta que, a filosofia clássica, ou seja, filosofia preponderante, a saber, sobretudo Kant, Hegel e Heidegger, bem como seus críticos, dentre os quais Feuerbach, Marx, Kierkegaard, não podem servir de base a um pensamento que se pretenda da libertação latino-americana.

Pois então, o que seria está Filosofia da Libertação?

filosofia da libertação trata-se de uma filosofia em particular, específica, e não aquela filosofia clássica que fora tradicionalmente européia na maior parte de sua história e, hoje, é também norte-americana.

A América Latina, devido a forte exploração capitalista que sofre desde épocas remotas das colonizações que ocorreram a partir do século XV, arcar com as conseqüências dolorosas de desigualdades sociais, fome, pobreza e miséria.

Quando os colonizadores “descobriram” as Américas, não respeitaram os nativos como seres humanos; não respeitam sua alteridade, seus costumes, a cultura, hábitos, seu modo de viver.

A Filosofia da Libertação, parte da oposição do oprimido, do excluído, da cultura massacrada e explorada, trata de mostrar a possibilidade do diálogo a partir da afirmação da alteridade ( diferença ) e ao mesmo tempo, da negatividade, a partir de sua impossibilidade empírica concreta, pelo menos como ponto de partida de que o dominado possa intervir efetivamente não numa argumentação ou numa conversação, mas num diálogo.

É necessário re-pensar a filosofia que não nos pertence, hábitos e costumes fora de nossa realidade. Devemos partir da realidade opressiva do continente latino-americano.




“ O oprimido, o torturado, o que vê ser destruída sua carne sofredora, todos eles simplesmente gritam, clamando por justiça:
– Tenho fome! Não me mates! Tem compaixão de mim! – é o que exclamam esses infelizes.
[...] Estamos na presença do escravo que nasceu escravo e que nem sabe que é uma pessoa. Ele simplesmente grita. O grito – enquanto ruído, rugido, clamor, protopalavra ainda não articulada, interpretada de acordo com o seu sentido apenas por quem “tem ouvidos para ouvir” – indica simplesmente que alguém está sofrendo e que do íntimo de sua dor nos lança um grito, um pranto, uma súplica.” Dussel (1995, p. 19)

13 comentários:

José Rodolfo disse...

Meu caro amigo, venho aqui para explicar a razão de eu não ter comentado aqui antes. Já te disse que embora tenha achado a proposta filosófica de Dussel que você apresentou, interessante, eu desconheço sua teoria e por isso não me senti capaz de opinar. Talvez haja uma outra oportunidade para que possamos conversar sobre o assunto, até mais.

Rodrigo Barbosa Urbanski - O Grito disse...

Caro Zé, depois de algum tempo te respondi.

Está filosofia proposta por Enrique Dussel, é uma filosofia complexa,extensa, mas ótimo e a cara do povo latino-americano. Se todos conhecessem um pouco de sua filosofia seria ótimo, pois necessitamos que as pessoas se conscientizem e pratique a filosofia da libertação, está Ética Universal.

Qualquer dia conversamos bem e explico para você o que sei.

euzebio disse...

Já li a filosofia em seus vários volumes. Ela é fundamental para qualquer discussão sobre América Latina. Depois de ler, é impossível que não lembremos dela nos assuntos de libertação. Ela é o marco de referencia para impedir o imperialismo sobre a América Latina. Pois, permite um aprofundamento das ontologias próprias da América Latina.

Ana Eliza disse...

Rodrigo, é interessante, porém complexa a filosofia dusseliana. Curso Direito na Universidade Estadual do Norte do Paraná (UENP) e estou realizando um trabalho, que tem como obra indicada Filosofia Jurídica da Alteridade (José Carlos Moreira da Silva Filho), o autor de tal livro baseia-se intieramente na filosofia de Dussel, não consigo compreender a questão do SER, e de todo o "atmosfera" que o envolve! Se pudesse me ajudar ficaria satisfeita! Desde já, obriga!

email: anaeliza.wdg@hotmail.com

Hugo Allan Matos disse...

Rodrigo passei por aqui. Gostei de sua postagem sobre Dussel. Se quiser conversar mais sobre o tema, estou à disposição. Abraço Hugo.

Dany disse...

Fiquei encantada com sua bela exposição sobre a Filosofia Da Libertação Parabéns Sou Danyela e Faço Filosofia Minha tese de Monografia e sobre Filosofia de Libertação " Proximidade e Totalidade " e podemos trocar algumas Referencias sobre o autor claro se você quiser e tiver afim
meu email é danybrittto@yahoo.com

Paulo Dias disse...

Ola Rodrigo! é muito bom saber que embora distnte e não conhece-lo o que nos aproxima é a proximidade de causa.
Sou Professor de Filosofia no Estado do Paraná (região metropolitana). Na minha prática/teórica levo para os meus alunos a filosofia da libertação. Tenho muitos resultdos positivos os alunos, com a filosofia da libertação E. Dussel aprendem a distanciar-se da filosofia eurocentrica para perceberem que essa não tenhem identificação com o nosso cotexto.
Trabalho também um livro do Roberto Gomes "Razão tupiniquim" onde ele se pergunta e "há flosofia entre nós?" onde ele vai se perguntar que essa filosofia ensinada em sala de aula e em algumas faculdade e filosofia não passa de uma "razão ornamental".
Não quero me estender. é bom saber que lutams por uma filosofia e educação libertadora.

Paulo Vítor Del Rey disse...

Deem uma olhada na Teologia da Libertação de Renne Padilha entre outros . As falas de Dussel são Cristãs na sua maioria.

Paulo Vítor Del Rey disse...

Deem uma olhada na Teologia da Libertação de Renne Padilha entre outros . As falas de Dussel são Cristãs na sua maioria.

ptnoticias disse...

Rodrigo,
Procurando saber mais sobre a filosofia da libertação cheguei até o seu blog. Sou da Bahia, professor universitário e desejo incluir essas discussões nos meus planos de aula.
Saudações,
Ruy

Unknown disse...

o q a filosofia de dussel tema ver com a etica?e vc acredita q a filosofia pode contribuir com a libertação dos oprimidos?pq?

muacariata canco disse...

Olá, Rodrigo

Sou Kanco, Sou admirador de dussel e fiz uma monografia de pós graduação sobre a filosofia
dusseliana, por isso achei interessante a sua postagem. Sou de Angola, por isso estou a tentar aplicar esta filosofia à nossa realidade africana, que tem muita semelhança com a da América latina. Por isso preciso troca de experiências.

Armindo Armando disse...

estou fazendo a minha monografia de graduacaop em dussel, me inspira tanto, pois com ela podmos rtirar discursos de uma filosofia regional, visto que questoes abordadas pelo filosofo sao universaiais, todo homem procura libertar-se e que e com ela que pretendo fazer a minha tese face aos desafios da globalizacao que nos es colocado pelo neocolonialismo.